16.03.2016

Temas prontos: Uma solução ou um problema?

A tecnologia avança a passos largos e os desenvolvedores sabem que levantar projetos do zero, linha por linha de código, pode ser trabalhoso e consumir muito tempo, o que eleva o valor final do produto.

Para resolver esse problema um dos métodos adotados foi “empacotar” soluções em módulos, plugins, temas prontos e snippets dos quais os profissionais podem desfrutar para acelerar o andamento de um projeto. Vantagem para o cliente que contrata um serviço mais barato recebendo-o em um prazo menor e vantagem para o desenvolvedor que consegue finalizar os trabalhos sem precisar de uma bagagem gigantesca de conhecimento técnico-específico e também pode cobrar um valor mais em conta, o que possibilita aos desenvolvedores fechar serviços com clientes que tem um valor menor para investir em marketing, comunicação e tecnologia.

No entanto toda essa facilidade gerou alguns efeitos colaterais. Um desses efeitos é o crescente número de desenvolvedores (ou web designers ou agências) com pouco conhecimento técnico e pouco interesse em resolver um problema do cliente. Esses maus profissionais existem desde sempre e em qualquer área, mas com essas facilidades ditas anteriormente, ficou mais fácil se passar por um bom profissional. Ou seja, essa facilidade ajudou na propagação de pessoas que dizem conseguir construir sites, que entendem de criação para a web, experiência do usuário, estratégia de conteúdo ou mesmo conceitos básicos de design para serem aplicados na construção de interfaces, ainda que esses profissionais não se importem com o resultado que isso traz para o cliente ou para o mercado do qual fazem parte.

Que fique claro que o objetivo desse artigo não é condenar os atalhos que hoje existem para facilitar a vida de quem trabalha com web, nem para criticar empreendedores iniciantes, que mesmo com pouca experiência de mercado, tem conhecimento, talento e força de vontade para trazer resultados para quem os contratar. Esse artigo é para alertar os contratantes, ajudar os iniciantes e conscientizar os profissionais que querem colher os frutos de uma carreira de sucesso, mas não querem o trabalho necessário para fazer esses frutos florescerem.

Vou exemplificar. Um profissional é contratado para fazer o site de uma escola e fecha o serviço por um valor baixo, acreditando que será fácil finalizar o site, afinal, é só  comprar um tema pronto para algum CMS e adequar o conteúdo do cliente para esse tema. Em geral isso é uma grande armadilha tanto para o cliente, que não verá resultados, quanto para o profissional, que acredita estar realizando um serviço fácil.

Já vi pessoas fundarem agências e conseguirem projetos de alto valor sem ter profissionais minimamente qualificados para isso e o resultado final é desastroso.

Os temas prontos são feitos de forma genérica, para atender o máximo de clientes possíveis dentro daquele nicho (que no nosso exemplo é uma escola) e apesar de temas para CMS serem ferramentas que tentam abranger problemas comuns de uma determinada área, isso não quer dizer que o seu cliente tenha as mesmas necessidades e objetivos do que existe nesse tema e talvez nem tenha conteúdo adequado para preenchê-lo. Quando isso acontece o projeto começa a desmoronar.

O tema que parecia tão lindo com todo aquele conteúdo fictício começa a parecer um site cheio de falhas. O cliente passa a cobrar uma solução e pressionar o desenvolvedor. O desenvolvedor por sua vez acha que o cliente está querendo muito mais do que o que foi combinado e passa a trabalhar insatisfeito pois o valor cobrado não custeia serviço, daí em diante o problema tende a aumentar.

Para minimizar esse problema existem algumas diretrizes que bons desenvolvedores estão cansados de ouvir mas não custa repetir para que os iniciantes aprendam, para ajudar na conscientização dos picaretas e também para facilitar a vida de empreendedores, que na maioria das vezes acabam sendo as vítimas desse tipo de situação.

  • Entenda o ramo de atuação do contratante. Converse com o cliente e entenda as suas necessidades. Muitas vezes ele não sabe explicar exatamente o que quer, mas vai dar pistas que você deve entender. Lembre-se, ele tem um problema e você é responsável por apresentar a solução. Peça para o cliente detalhes do negócio e da área de atuação. Aproveite essa conversa para entender o máximo possível, se necessário grave o diálogo. Isso pode ser uma ferramenta valiosa para se conseguir detalhes sobre o projeto que não estavam tão evidentes a primeira vista e por consequência, resulta na entrega de resultados que vão além do que o cliente esperava e surpreendê-lo de forma positiva.
  • Planeje, rascunhe, rabisque. Indo para o campo da abstração e rabiscando ideias com base no conteúdo que foi “adquirido” com o cliente, é possível compreender quais features serão necessárias para colocar o projeto em funcionamento. Crie wireframes para ter uma ideia mais concreta de como será o site ou app, isso evitará refações e te poupará de muitas dores de cabeça depois que o código estiver pronto. Não se esqueça que o conteúdo determina como será o site ou app e não o contrário.
  • Desenvolva layouts para aprovação. Fundamental para evitar que o cliente “esqueça” o que estava combinado e entenda quando você cobrar a mais por features que não estavam no escopo do projeto inicialmente. No caso de optar por usar um tema pronto, elaborar layouts utilizando o tema escolhido é fundamental para saber se ele supre as exigências do projeto.
  • Não dependa só da faculdade. Sinto um pesar ao falar disso, mas no Brasil o sistema de ensino superior está longe de ser o ideal, em parte por culpa dos estudantes, em parte por conta do sistema de ensino em si. Não raramente, professores são “improvisados” por instituições de ensino e recebem a responsabilidade de lecionar disciplinas que não dominam. Não que eles devam saber tudo, principalmente quando o tema é tecnologia, mas alguma experiência com o conteúdo é extremamente necessária. Só para exemplificar, 2 anos atrás numa universidade renomada de Brasília, tive um professor de front-end que usava muitos elementos em desuso além de ensinar css inline como uma prática atual. Busque se atualizar lendo blogs, fóruns, cursos, livros e etc. Hoje em dia, a falta de acesso à informação não é mais uma desculpa para não aprender (pelo menos na maioria dos casos).
  • Busque experiência antes de assumir responsabilidades sozinho. Trabalhar em projetos por conta própria com a sua equipe pode ser bem mais lucrativo do que trabalhar em agências, departamentos de tecnologia ou departamentos de marketing, todavia essas experiências podem ser muito valiosas. Ao trabalhar com equipes que tem bagagem, você tem a oportunidade de entender projetos como um todo, além de ter a possibilidade de aprender o máximo possível com colegas de trabalho que tem especialidades diferentes das suas. Aproveite também para experimentar novas áreas, talvez você descubra novos talentos e habilidades. Dessa forma é possível melhorar profissionalmente, compreender toda a dimensão de um projeto, conhecer pessoas com as quais poderá fazer parcerias para projetos futuros…
  • Domine o que se propõe a fazer.  Ok, ninguém sabe de tudo principalmente numa área que evolui tão rapidamente. Mas se você pretende vender sites em wordpress por exemplo, tenha domínio de html, css, php, estrutura de temas em wordpress, template tags, filter, hooks… (ou tenha parcerias com pessoas que complementem suas habilidades).  Evite situações nas quais o cliente precisa de algo e você não consegue solucionar por não estar qualificado.
  • Cobre um preço justo. Seja verdadeiro quanto ao valor do projeto, do contrário, quando os problemas começarem a surgir a motivação pode não ser o bastante para dar continuidade sem perder qualidade no resultado final. É péssimo terminar o trabalho sabendo que ele foi muito mais trabalhoso do que realmente custou, ou pior, terminar o trabalho com “prejuízo”. Também é uma péssima ideia tentar se aproveitar do cliente e conseguir com um projeto muito mais do que ele vale, isso fere a ética profissional, pode afugentar clientes e indiretamente prejudicar os bons profissionais do mercado.

Existem muitas outras dicas que poderiam ser dadas, mas seguir esses fundamentos básicos te ajudará a evitar muitos problemas e provavelmente te levará a outras conclusões interessantes para a sua carreira.



comentários matidos por Disqus

Luis Felipe Lino

Design, Desenvolvimento Web, UX e cafeína.


Deseja fazer um projeto?

Nós podemos te ajudar com expertise em diversas disciplinas, seja você uma agência ou um empreendedor.

Peças gráficas, arquitetura da informação, design de interface para sites e aplicativos, código front-end de alta performance, design responsivo, integração com WordPress, projetos fotográficos e gerenciamento de redes sociais são alguns dos serviços que podemos oferecer.

Também prestamos consultoria para quem deseja melhorar resultados no meio digital. Muitas vezes uma empresa dá os primeiros passos na internet, mas não consegue alcançar seu público alvo por falta de conhecimento especializado. Podemos fazer uma análise do seu site e dos processos adotados para alcançar seu cliente, identificar falhas, para então corrigirmos e alavancar os resultados do seu negócio.

Entre em contato. Teremos prazer em atendê-lo.


(61)9970-0121

contato@pixelzero.com.br